Projeto Judô Clube Bertioga (Instituto Boracéia)

JUDÔ

Esporte com técnicas de defesa pessoal, fortalecendo o corpo, o físico e a mente de forma integrada.

Foi criado em 1882 pelo mestre japonês Jigoro Kano a partir do Ju-Jitsu, a arte marcial utilizada pelos antigos samurais. Os golpes e técnicas que poderiam causar lesões foram eliminados, transformando-o assim em um esporte.

NA MÍDIA

O projeto nasceu para atender às crianças e adolescentes de bairros longínquos do centro de Bertioga, e consequentemente, carentes de serviços esportivos e educacionais. No entanto, essas áreas de desafios revelaram-se um grande celeiro de talentos judoístas.

Ainda mais notável do que as vitórias esportivas, são os efeitos sociais da ação. “Os jovens que ingressaram em 2014, agora desempenham papéis de liderança, entre eles, destacam-se a sensei Julia França, primeira faixa preta formada na cidade, Inácio Mariano e os instrutores Felype Dias e Cleberson Lourenço, que se aprimoraram com o curso Keisei no Michi, da Federação Paulista de Judô”, explica.

Enquanto docente da E.M. José Carlos Buzinaro, em Guaratuba, Alexandre Lima levou os alunos para competir nos Jogos Estudantis, onde a pequena escola emergiu como campeã geral.

Desde maio de 2023, a equipe, sob seu comando, conquistou mais de 20 medalhas. “A base do projeto sempre foi a educação e o protagonismo juvenil. Ao longo de nove anos, com o apoio de diversos parceiros, o Projeto Judô Clube Bertioga prosperou e se tornou referência. Atletas como Aurea Martins (11 anos), Clécia Nascimento (14 anos) e Julia Kato Lima (13 anos), minha filha, destacam-se no cenário estadual, mostrando o impacto positivo desse trabalho”, afirma.

Inspiração
Foi a pupila Julia que reacendeu sua paixão pelo Judô, permitindo que centenas de crianças trilhem o Caminho Suave de Jigoro Kano, criador da modalidade.

Trabalho com indígenas
Entretanto, engana-se quem pensa que as aulas ocorrem apenas nos bairros Guaratuba e Boracéia I. Por meio da A.C. Guaratuba e Associação Desportiva Cristã, o projeto foi expandido e chegou à aldeia guarani Rio Silveira, na divisa entre Bertioga e São Sebastião.

De acordo com o docente, a comunidade escolar da aldeia Rio Silveira é a maior do estado de São Paulo, e em uma ação inédita, em parceria com a A.C. Guaratuba, Associação Desportiva Cristã de Suzano (ADECRIS) e Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (CONDECA), após a aprovação e o apoio da Fundação Nacionais dos Povos Indígenas (FUNAI) e das lideranças, iniciou a Oficina Judô Clube Bertioga. “Nós queremos estabelecer um projeto de fortalecimento da cultura guarani via Xondaro (luta e arte tradicional Guarani) e do Judô, amplamente valorizados pela disciplina e respeito. Pretendemos atender cerca de 40 crianças e adolescentes das escolas Nhembo ‘e’ á Porã e Txeru Ba e Kua-i”, explica.

PATROCINADORES

ALEXANDRE LIMA

Natural de Suzano, no estado de São Paulo, possui o 2º dan em Judô (CBJ). Iniciou nessa modalidade aos nove anos, em 1993, sob a tutela do sensei David Ramos Trinca (in memoriam).

Aos 17 anos, passou a se dedicar a projetos sociais, porém, o Judô nunca saiu de sua vida. Em 2004, formou-se em Educação Física, e quatro anos depois, fez uma especialização em Docência Acadêmica. Em 2011, foi aprovado em um concurso público no município de Bertioga, litoral de São Paulo.

Nesse período, conheceu o sensei e amigo Leandro Bello e teve o apoio dele para retornar oficialmente ao “Caminho Suave”. Assim, por meio dessa parceria, nasceu o projeto “Judô Clube Bertioga”, que com o apoio da Associação Comunitária de Guaratuba e da Prefeitura de Bertioga, passou a representar oficialmente o Judô do município.

Desde então, foram dezenas de premiações oficiais. Através da A.C. Guaratuba e Associação Desportiva Cristã, o projeto cresceu, levando a modalidade aos bairros mais longínquos de Bertioga, de Guaratuba até a Aldeia Indígena do Rio Silveira. “Essa iniciativa é a realização do sonho daquele menino que aos nove anos vestiu a armadura branca pela primeira vez.

O nascimento da minha filha mais velha, Julia Kato Lima, resgatou em mim aquela semente do Judô que estava adormecida. Agradeço, primeiramente, a Deus, a fonte criadora de tudo, à minha família: Fernanda, minha esposa, e os meus filhos Julia e Pedro, e por fim, a todos os meus alunos, que muito me ensinaram nessa trajetória”

Com uma base sólida, a temporada 2023/24 de campeonatos promete ser um divisor de águas para o Judô bertioguense. “Gostaria de agradecer, primeiramente, a Deus, ao professor Jackson Ribeiro (Instituto Boracéia – Jiu Jitsu – CT Felipe Vidal), que cedeu o imóvel para a instalação do projeto, transformando a vida de dezenas de crianças no bairro, à ADECRIS, que se uniu à comunidade, aos projetos de Judô e Jiu Jitsu do extremo norte de Bertioga, à Prefeitura de Bertioga, por toda a estrutura física e recursos oferecidos, à minha família: Fernanda, minha esposa, e os meus filhos Julia e Pedro, e por fim, a todos os alunos, que muito me ensinaram nessa trajetória”.

Projeto Judô Clube Bertioga (Instituto Boracéia)
End: Rua Fernando Pessoa, 333, Boracéia, Bertioga/SP
E-mail: judo.clube.bertioga@gmail.com
Tel: (13) 99614 3349